A aplicação do storytelling na grande mídia



Max Franco 


O atual cenário brasileiro é um ambiente perfeito para entendermos como as mídias exploram o recurso do Storytelling para ampliar o seu alcance e engajar cada vez mais os seus expectadores, ou para melhor dizer, os seus consumidores.

storytelling é uma ferramenta tremendamente eficaz, além de ancestral. Tudo indica que desde que a humanidade se tornou capaz de unir fonemas a significados, ela também desenvolveu a habilidade de criar e contar histórias. Somos, portanto, storytellers há milhares de anos. Talvez, isto explique o nosso apreço por histórias e por que estamos sempre em busca delas, não importando a fonte: livros, filmes, séries, esportes, jornais, noticiários... Continuamos amantes de histórias. Não é por acaso que os contadores de histórias mais populares são tão perseguidos pela fortuna. Basta observar o estrondoso sucesso de J.K Rowling e Stephen King ou de grandes diretores como Martin Scorcese e James Cameron. A humanidade desejosa e carente de emoções venera os seus storytellers.  

Uma das técnicas comuns do storytelling é amplamente antiga e igualmente eficiente, que é a de erigir heróis e bandidos. Não há histórias sem problemas. Ninguém suportaria 400 páginas de harmonia e compreensão em um romance. Aposto que não toleraríamos nem sequer 40. Também não assistiríamos a um filme de duas horas de satisfação coletiva na tela.  A felicidade não costuma gerar audiência. O que nós realmente gostamos é de um bom problema, desde que seja grande e, é claro, alheio. Dos próprios problemas abriríamos mão com enorme desprendimento.

Então, a partir desta premissa que entra em cena um dos personagens mais importantes: o antagonista. O vulgo vilão. Não há histórias sem inimigos. E quanto mais formidável, melhor. Às vezes, o sinistro nem sequer é um ser dotado de consciência (suja). Muita vez, pode ser um furacão, um tsunami, um tubarão, o clima, a fome, uma doença... Não importa, mas sempre deve haver um adversário a ser confrontado. Como se diz na Espanha, “Quem faz o toureiro é o touro!” Não há heróis sem adversidades.

A grande mídia, da sua maneira peculiar, presta homenagens aos antagonistas do momento. Basta ver o espetáculo que criam para veicular as “notícias” sobre os ditos vilões da longa novela brasileira a qual, mesmo que não o queiramos, todos acompanhamos o tempo inteiro.  Nós sabemos detalhadamente, por exemplo, que horas Eike Batista embarcou nos EUA. Sabemos se comeu ou não no avião. Sabemos também que trazia um travesseiro à mão. Que raspou a cabeça. Que trocou de roupa. Que a sua cela é miserável. Que não tem diploma e ensino superior, por isso, a sua prisão, caso realmente se verifique, aponta para um verdadeiro calvário. E ter estes conhecimentos traz, antes de tudo, uma grande satisfação.

O fato é que a natureza humana não se alterou tanto assim depois dos séculos. Ainda apreciamos (com ardor) as execuções públicas, ocorrendo entre o número dos malabaristas e do engolidor de fogo. Sabemos o efeito popular destes espetáculos sangrentos: eles atraíam multidões. E ainda atraem. Como Quentin Tarantino nos demonstra a cada produção sua, o ser humano nutre um apreço abissal por uma boa vingança. 

O fenômeno não ficou no passado. Na verdade, atualmente está potencializado por todo o arsenal que está envolvido na cobertura destes fatos. O bandido nunca foi tão pop quanto hoje e jamais mereceu tanta atenção.  Afinal, é necessário saciar a sede de sangue da assembleia. A catarse urge. Mas é importante dizer que não é a mídia que cria a pulsão por esta satisfação vampiresca. A fome pela derrocada alheia é uma pulsão latente, natural, tão antiga quanto o homem. A mídia só a espetaculariza a fim de vender mais espaço para anunciantes.

Particularmente, quando acompanho os textos dos cronistas modernos só me vem à mente uma cena que testemunhei anos atrás. Lembro-me que estava na apresentação da “Paixão de Cristo”, em Nova Jerusalém, interior de Pernambuco. Recordo-me que só um episódio provocou mais palmas e efusividade do que a ressurreição do Cristo: o enforcamento de Judas. 


Max Franco é professor de Storytelling da Inova Business School – unidades de Campinas e São Paulo e escritor de oito livros, dentre eles “Storytelling e suas aplicações no mundo dos negócios”, lançado pela Editora ATLAS, em 2015. 

Artigo enviado pela F.Blotta Comunicação Estratégica.

0 comentários:

Anuncie aqui !!

banner image

Anuncie no Portal E5

Faça seu produto, serviço ou empresa aparecerem aqui no Portal E5 !! Saiba mais , Fale conosco e solicite um orçamento (clicar no formulário abaixo)

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Web Rádio E5 AO VIVO 24h

Web Rádio E5 AO VIVO 24h
Transmissão todos os dias

Web Rádio E5 no Spotify

Web Rádio BOA DEMAIS

Anuncie aqui !!

banner image

Jornal do Brás

Jornal do Brás no Facebook

Web TV E5