A Copa chegou. Brasil campeão mundial dos impostos, da corrupção, da miséria e das falcatruas














A apenas 27 dias da Copa do Mundo do Brasil, muitos problemas em São Paulo não foram resolvidos para a realização do evento.
Os aeroportos não receberam nenhuma obra de infraestrutura e não se planejaram para receber a enorme quantidade de voos com turistas e torcedores que vêm assistir aos jogos. Transporte público, continua a mesma coisa. Superlotação nos horários de pico. Falhas elétricas e atrasos nas viagens.
Congestionamentos enormes, como esse na foto - av. Radial Leste ao lado da Arena São Paulo em Itaquera, palco de abertura da Copa, em pleno feriado de 1º de maio.
Muitas pessoas estão jogadas nas ruas - idosos, moradores de rua, sem-tetos, viciados em crack e álcool.
Muito lixo, muita sujeira nas ruas. 
Postos de saúde precários, com falta de médicos e equipamentos. Brasileiros jogados nos corredores dos hospitais, em macas e colchões, ao "deus dará".
Falta de segurança. Arrastões, greve das polícias, violência.
A reclamação é geral. O resultado são as greves e os protestos nas ruas, às vésperas da realização da Copa.
A melhor resposta do brasileiro para as denúncias de superfaturamento nas arenas da Copa e a todo desmando dos políticos, com casos de corrupção e tudo mais, e descaso com a saúde e a educação, deve, contudo, ser dada nas urnas, nas eleições deste ano a presidente da República, senadores, governadores e deputados federais e estaduais.
Eduardo Cedeño Martellotta

Jornalista pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte pela FMU. Editor Geral, Redator e Repórter do Jornal do Brás (2004 a 2021). Co-autor e Prefaciador de livros e antologias da Editora Matarazzo. Autor do livro "Brás e seus Logradouros - origem e história". Trabalhou nas Rádios DaCidade AM e Terra AM. Criador e Editor do Portal E5 (2010 a 2021).

Postar um comentário

Please Select Embedded Mode To Show The Comment System.*

Postagem Anterior Próxima Postagem