Anuncie ! 728x90

Academia prepara futuros campeões do Boxe

quinta-feira, 28 de setembro de 2017 | 0 comentários



Por Eduardo Martellotta
Portal E5 e Jornal do Brás

Reintegração à sociedade e formação de campeões. Assim podem ser descritos os principais objetivos da Academia Jovem de Ouro, situada na rua Rio Bonito, 616, onde há dois anos o atual bicampeão mundial de boxe WPC pena e super galos, Giovanni Andrade, ensina boxe a diversos jovens. O esporte e outros – Jiujitsu, Capoeira, Ninjutsu, Muay thay, Taekwondo, Ginástica para Terceira Idade, Futebol, Voleibol, Futsal e Atletismo são ministrados gratuitamente no Instituto Bem Maior, entidade beneficente existente há 4 anos.
Giovanni Andrade tem em seu cartel 85 lutas, 72 vitórias, sendo 60 por nocaute, e apenas 13 derrotas. Ele é o maior nocauteador do boxe brasileiro e o segundo com o maior número de vitórias, atrás apenas de Adilson “Maguila” Rodrigues.
Giovanni começou a lutar aos 16 anos de idade. Em sua última luta dia 14 de janeiro deste ano, nocauteou o argentino Walter Rojas no 2º round em Buenos Aires. Aos 47 anos, tem vasta experiência internacional tendo morado em Las Vegas por um bom tempo, onde disputou o título mundial e o defendeu por mais de 26 vezes. Lutou em quase todos os continentes,  por várias organizações - WBA,WBO ,WBU, IBC, IBO e WPC.
Conheça os frequentadores do instituto e os jovens que aspiram um dia conquistar o título mundial de Boxe.




Melhor Idade com Saúde
Frequentadora da Ginástica para Terceira Idade, dona Branca (foto), mora na av. Celso Garcia e está na ginástica há 4 anos. Ela é uma exímia corredora e já participou de diversas corridas, como a Maratona de São Paulo. As aulas de Ginástica para Terceira Idade ocorrem às segundas, quintas e sextas-feiras a partir das 15h, com o próprio Giovanni Andrade e tem orientações de fisioterapeutas e nutricionistas.


Árabe é veterano no Boxe
Mohamad Said chegou ao Brasil em 1999. Nasceu na Síria e foi criado na Jordânia. Antes de vir para o País, era lutador de Boxe amador na Síria, Iraque, Nigéria, Rússia e Romênia.
Ele começou sua carreira profissional no Brasil. O sírio Mohamad acumula em sua carreira de boxeador, os títulos de Campeão Paulista médio e super médio, Campeão Brasileiro médio e Ibero-Americano médio. Em 2004, Giovanni o levou para os EUA (onde conquistou título FIB Latino) e Canadá, quando disputou título mundial. Em 2015, lutou pela Organização Mundial de Boxe Latino na Argentina. Após dois anos fora dos ringues, voltou há dois meses em uma luta no Guarujá, vencida por ele na contagem dos pontos.  

Boliviano encontra no boxe a salvação
Deyvis Rodriguez Flores está há dois anos na Academia Jovem de Ouro. Sempre foi fanático por Boxe. Vindo de Cochabamba, Bolívia, disse que encontrou no esporte uma porta aberta, uma salvação na sua vida.
Ele, que tem 20 anos, disputou vários títulos pela academia. Entre os melhores, conquistou no Rio de Janeiro, já como profissional. E sonha alto: sua meta é disputar o título mundial. Atualmente Deyvis mora em Guarulhos.


Campeã sul-americana era usuária de drogas
Elica Jamile, 24 anos (à esquerda na foto, durante combate) lembrou que era usuária de cocaína, maconha e lança-perfume e é um exemplo de superação no esporte. “Já passei seis dias fora de casa, só usando drogas. Eu ia às baladas para preencher o vazio que havia dentro de mim, mas vi que aquilo estava me aprofundando cada vez mais e foi aí que conheci o Boxe”, disse Elica, completando que as aulas da academia, no início, eram realizadas na rua Dr Carlos Botelho.
Foi uma amiga que a encaminhou para o Boxe, recordou-se ela, que achava que não tinha jeito para o esporte. A partir daí, começou a treinar firme e sua carreira decolou. Elica Jamile é profissional há 3 anos, onde tem o impressionante retrospecto de 11 lutas com 10 vitórias e um título sul-americano em maio de 2015. “Meu objetivo é conquistar o título mundial e vou treinar forte para chegar lá”.


Bicampeão Mundial de Boxe, Giovanni Andrade (esq. na foto) ensina o esporte aos jovens na Academia Jovem de Ouro, rua Rio Bonito, 616, graças ao apoio da lenda viva do Boxe, jornalista Newton Campos, presidente da Federação Paulista de Boxe


70 anos de Ufologia - Ufólogo relata casos ocorridos antes de 1947


Por Eduardo Martellotta
Portal E5 e Jornal do Brás

Em 24 de junho, a Ufologia ou paraciência que estuda o fenômeno dos objetos voadores não-identificados (OVNIs), completou 70 anos de pesquisas.
Naquela data, em 1947, o assunto foi popularizado, pois o piloto civil norte-americano Kenneth Arnold relatou à Imprensa ter avistado sobre o Monte Rainer em Washington um esquadrão de nove OVNIs. Na época, devido ao formato dos objetos, Arnold usou a expressão “Flying Saucer” (pires voador), que mais tarde foi adaptada para o português como “disco voador”.
Nos dias atuais, muitos Ufólogos admitem como hipótese que aqueles OVNIs seriam uma formação de aeronaves super secretas dos Estados Unidos. Já existia tecnologia militar, de formato não convencional, criada pelo governo norte-americano, para utilização em guerra.
O certo é que, desde então, o mundo passou a conhecer uma quantidade cada vez maior de relatos e registros estranhos de aparições de OVNIs, seres extraterrestres, contatos, abduções e até viagens em discos voadores.
Em entrevista ao Portal E5 e ao Jornal do Brás, o presidente do Grupo Ufológico de Guarujá – GUG, ufólogo Edison Boaventura Júnior, disse que, em seu mais recente livro, “Alienígenas no Passado do Brasil – Casos Insólitos antes de 1947”, são relatados 14 casos brasileiros (veja abaixo) ocorridos antes do famoso caso de observação dos OVNIs ocorrido com Kenneth Arnold, descrito por Edison como “o início da Era Moderna da Ufologia”.

Avistamento traz Edison à Ufologia
Com 36 anos de experiência como ufólogo, Edison fundou o Grupo Ufológico de Guarujá em 4 de agosto de 1985 e pesquisa o tema Ufologia desde 1981, quando ele próprio teve uma experiência com OVNIs no Guarujá em 1981. Sua mãe foi recolher roupas no varal ao entardecer. De repente, ela começou a gritar no quintal de casa. “Eu, meu irmão e minha mãe vimos um objeto imenso alaranjado. E este objeto (nave-mãe) começou a expelir por baixo, 16 objetos menores vermelhos. Até que este objeto maior foi se distanciando e subiu para o espaço. Foi um contato de Primeiro Grau. Toda vizinhança apontava para o objeto”, lembrou ele.
Edison não sabia o que era. Só foi encontrar as respostas dentro da Ufologia. O GUG pesquisou posteriormente mais de 400 casos ocorridos não só no litoral paulista, mas também em Minas Gerais, Macapá, Rio de Janeiro, Pará, Egito, Turquia, Israel, Peru, México, Paraguai, Camboja, Tailândia, Japão, Inglaterra e França.

Deuses astronautas?
Segundo Edison, existe também a Ufo Arqueologia, parte da Ufologia que estuda os registros rupestres na cultura e literatura religiosa. Há diversos deles em Minas Gerais, Goiás, Amazonas, Amapá, Santa Catarina, Bahia (Chapada Diamantina) e Goiás (Formosa – Pedra do Bisnau). Os indígenas desenvolviam cerâmicas em forma de nave e de deuses com criaturas portando capacetes e instrumentos tecnológicos inconcebíveis para a época. Também há registros no Egito, Peru, América Pré-Colombiana e Índia, que só comprovam que esses seres já nos visitavam desde a Antiguidade.
Segundo ele, uma parte de cientistas e arqueólogos não quer difundir a Ufologia. “Se eles encontram alguma evidência, teriam que reescrever a história, mas preferem deixar nos porões dos museus”.

Os contatos
Edison explicou na entrevista os tipos de contatos existentes: o de Primeiro Grau, que envolve avistamento de naves a longa distância, de Segundo Grau quando há marcas físicas no solo (como a Marca de São Vicente em 1995), perturbação em testemunhas e também pousos, de Terceiro Grau que envolve observação de seres, sem qualquer contato; Quarto Grau quando ocorre o contato e a abdução (a pessoa é levada para dentro da nave e passa por exames clínicos) e o de Quinto Grau quando há contato telepático com os seres, combinado com o Terceiro e Quarto Graus.

Tipos de seres
Há uma quantidade variada de criaturas, disse o ufólogo, classificando três tipos basicamente: os do tipo alfa (80% dos casos) que são os seres baixinhos e cinzentos de olho preto (greys), do tipo beta (15% dos casos), parecidos com os seres humanos e que variam em estatura, suas feições são belas (loiros ou de cabelo preto) e os répteis (5% dos casos) que são os robôs com corpo coberto de pelo e cíclopes (ET de Varginha).  

Casuística antes de 1947
·       1925 – Juiz de Fora – moça de baixa estatura, vestida de azul, que poderia ser classificada de santa, usava um capacete luminoso na sua cabeça;
·        Pouso com avistamento de seres com cara de gato e orelha pontiaguda no Guarujá em 1946;
·        Caso “Bep-Kororoti” relatado pela tribo Kayapó ao pesquisador João Américo Peret em 1962, mas ocorrido muito tempo antes. “Bep-Kororoti” era um deus que veio das estrelas e passou a habitar junto com esta tribo. Portando um capacete, uma roupa especial chamada “Bô” e uma vara “Kob”, que desintegrava pedras e árvores, ensinou uma série de técnicas de cultivo e criou uma oca (casa) onde seria uma escola;
·        Tribo que teria devorado seis alienígenas no Mato Grosso em 1936 – caso foi divulgado em revistas especializadas de Ufologia e pelo antropólogo Fritz Greder;
·        Caso de 13 de junho de 1559 relatado pelo jesuíta Antônio de Sá em carta onde teria acontecido uma suposta abdução.

A entrevista com o ufólogo Edison Boaventura Jr do GUG continua no próximo post.

Edison mostra um artefato de decoração feito pelo amigo Philipe Kling David



Outro caso interessante foi de Campinas, 1931. José Florêncio teria sido abduzido por alienígenas




OVNI visto na França em 23 de março de 1974





O ufólogo Edison Boaventura Jr investigou os Casos Varginha (1996) e São Vicente (1995 - foto), cujo OVNI deixou a marca do pouso


Destaques da Ed. 327 - Jornal do Brás

segunda-feira, 25 de setembro de 2017 | 0 comentários

Destaques da Ed. 326 - Jornal do Brás

sexta-feira, 8 de setembro de 2017 | 0 comentários








Web Rádio E5

A primeira transmissão ocorreu em 24 de setembro de 2016

AO VIVO 24 HORAS
70s, 80s, 90s, Rock e MPB
Para ouvir, clique no player, ou então, acesse os links mais abaixo:



Título da transmissão:
Taxa de bits:
Ouvintes atualmente:
Máximo de ouvintes:

Windows Media Player

Winamp

Quick Time

Real Player

IPHONE/ IPOD/ IPAD

Android HLS Link (pode não abrir em todos) 

Android RTSP Link

Blackberry celulares smartphones

Icecast mobile link (Compatível com vários aparelhos)

URL para usar em aplicativos



Ouça no TuneIn (clique na imagem)


Para ouvir nossa rádio, baixe o aplicativo RadiosNet para celulares e tablets com Android ou iPhone/iPads.


Ouça no portal Rádios.com.br ou no aplicativo RadiosNet (clique no banner)



Retransmissora 1 - Web Rádio Boa Demais - São Paulo-SP

Site alternativo no Centova Cast




Ajude a Web Rádio E5 a continuar suas transmissões doando qualquer valor

Web Rádio E5 no Spotify

Web Rádio BOA DEMAIS

Web TV E5 - Inscreva-se

Arquivo do Rádio

Arquivo do Rádio
Viaje no tempo e relembre áudios registrados ao longo da história do Rádio no Brasil

OVNIs e ETs

OVNIs e ETs
Site do Portal E5. Tudo sobre Ufologia

Jornal do Brás

Jornal do Brás no Facebook

Terra Brasil - Últimas Notícias

O GLOBO - Últimas Notícias

Boletins na Rádio DaCidade AM

Boletins na Rádio Terra AM

 
Copyright © -2010 Portal E5 All Rights Reserved | Template Design by Favorite Blogger Templates | Blogger Tips and Tricks