Ajude a ABRAPEC

Acesse o site da Associação Brasileira de Assistência às Pessoas com Câncer - ABRAPEC, conheça o trabalho da entidade e ajude.

Web Rádio E5 traz os melhores flashbacks

Com programação 24h, emissora do Portal E5 traz os grandes sucessos dos Anos 70, 80 e 90, do Rock e da MPB.

Colorado do Brás disputa Grupo Especial após 25 anos

A Escola de Samba Colorado do Brás está no Grupo Especial em 2019 com o samba-enredo "Hakuna Matata - Isso é Viver". Saiba mais.

Adote um cão ou gato na UIPA

Existente há 123 anos, União Internacional Protetora dos Animais fica no Canindé. Conheça o trabalho da entidade e faça sua adoção.

Jornal faz 29 anos em Jantar Oscar Dourado

O Jornal do Brás comemorou 29 anos de ação dia 20 de outubro, programando desde já o 23º Jantar Anual Jornal do Brás dia 11 de dezembro no fulgurante Salão Boate Pyramidys do Clube Atlético Juventus.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Destaques da Ed. 313 - Jornal do Brás







terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Cantinho da Saudade






























Antigo Cine Piratininga, na av. Rangel Pestana, 1.540, inaugurado em 26 de março de 1943. Era o maior cinema da América do Sul, com cerca de 5.000 lugares. Hoje o prédio dá lugar a um estacionamento












Loja Pirani, “A Gigante de São Paulo”, na av. Celso Garcia, 292, em foto de 1955. Acima, ficava o Clube Independência, com seu lindo tapete vermelho








Estação Brás completa 150 anos
A Estação Brás da CPTM, situada na Praça Agente Cícero, está completando 150 anos de história no próximo dia 16 de fevereiro. O registro fotográfico é de 1942. Ela foi fundada em 16 de fevereiro de 1867 pela São Paulo Railway (SPR) como Estação Braz, passando depois a se chamar Estação do Norte e Roosevelt. Antes de passar para a CPTM em 1994, foi administrada pela Fepasa e CBTU. Hoje atende as linhas 10 – Turquesa, 11 – Coral e 12 – Safira da CPTM, fazendo integração com a Linha 3-Vermelha do Metrô. 

A aplicação do storytelling na grande mídia



Max Franco 


O atual cenário brasileiro é um ambiente perfeito para entendermos como as mídias exploram o recurso do Storytelling para ampliar o seu alcance e engajar cada vez mais os seus expectadores, ou para melhor dizer, os seus consumidores.

storytelling é uma ferramenta tremendamente eficaz, além de ancestral. Tudo indica que desde que a humanidade se tornou capaz de unir fonemas a significados, ela também desenvolveu a habilidade de criar e contar histórias. Somos, portanto, storytellers há milhares de anos. Talvez, isto explique o nosso apreço por histórias e por que estamos sempre em busca delas, não importando a fonte: livros, filmes, séries, esportes, jornais, noticiários... Continuamos amantes de histórias. Não é por acaso que os contadores de histórias mais populares são tão perseguidos pela fortuna. Basta observar o estrondoso sucesso de J.K Rowling e Stephen King ou de grandes diretores como Martin Scorcese e James Cameron. A humanidade desejosa e carente de emoções venera os seus storytellers.  

Uma das técnicas comuns do storytelling é amplamente antiga e igualmente eficiente, que é a de erigir heróis e bandidos. Não há histórias sem problemas. Ninguém suportaria 400 páginas de harmonia e compreensão em um romance. Aposto que não toleraríamos nem sequer 40. Também não assistiríamos a um filme de duas horas de satisfação coletiva na tela.  A felicidade não costuma gerar audiência. O que nós realmente gostamos é de um bom problema, desde que seja grande e, é claro, alheio. Dos próprios problemas abriríamos mão com enorme desprendimento.

Então, a partir desta premissa que entra em cena um dos personagens mais importantes: o antagonista. O vulgo vilão. Não há histórias sem inimigos. E quanto mais formidável, melhor. Às vezes, o sinistro nem sequer é um ser dotado de consciência (suja). Muita vez, pode ser um furacão, um tsunami, um tubarão, o clima, a fome, uma doença... Não importa, mas sempre deve haver um adversário a ser confrontado. Como se diz na Espanha, “Quem faz o toureiro é o touro!” Não há heróis sem adversidades.

A grande mídia, da sua maneira peculiar, presta homenagens aos antagonistas do momento. Basta ver o espetáculo que criam para veicular as “notícias” sobre os ditos vilões da longa novela brasileira a qual, mesmo que não o queiramos, todos acompanhamos o tempo inteiro.  Nós sabemos detalhadamente, por exemplo, que horas Eike Batista embarcou nos EUA. Sabemos se comeu ou não no avião. Sabemos também que trazia um travesseiro à mão. Que raspou a cabeça. Que trocou de roupa. Que a sua cela é miserável. Que não tem diploma e ensino superior, por isso, a sua prisão, caso realmente se verifique, aponta para um verdadeiro calvário. E ter estes conhecimentos traz, antes de tudo, uma grande satisfação.

O fato é que a natureza humana não se alterou tanto assim depois dos séculos. Ainda apreciamos (com ardor) as execuções públicas, ocorrendo entre o número dos malabaristas e do engolidor de fogo. Sabemos o efeito popular destes espetáculos sangrentos: eles atraíam multidões. E ainda atraem. Como Quentin Tarantino nos demonstra a cada produção sua, o ser humano nutre um apreço abissal por uma boa vingança. 

O fenômeno não ficou no passado. Na verdade, atualmente está potencializado por todo o arsenal que está envolvido na cobertura destes fatos. O bandido nunca foi tão pop quanto hoje e jamais mereceu tanta atenção.  Afinal, é necessário saciar a sede de sangue da assembleia. A catarse urge. Mas é importante dizer que não é a mídia que cria a pulsão por esta satisfação vampiresca. A fome pela derrocada alheia é uma pulsão latente, natural, tão antiga quanto o homem. A mídia só a espetaculariza a fim de vender mais espaço para anunciantes.

Particularmente, quando acompanho os textos dos cronistas modernos só me vem à mente uma cena que testemunhei anos atrás. Lembro-me que estava na apresentação da “Paixão de Cristo”, em Nova Jerusalém, interior de Pernambuco. Recordo-me que só um episódio provocou mais palmas e efusividade do que a ressurreição do Cristo: o enforcamento de Judas. 


Max Franco é professor de Storytelling da Inova Business School – unidades de Campinas e São Paulo e escritor de oito livros, dentre eles “Storytelling e suas aplicações no mundo dos negócios”, lançado pela Editora ATLAS, em 2015. 

Artigo enviado pela F.Blotta Comunicação Estratégica.

Destaques da Ed. 312 - Jornal do Brás









Web TV E5

Web Rádio E5 24h

Web Rádio Boa Demais

Jornal do Brás

Jornal do Brás - Últimas Notícias

Jornal do Brás no Facebook

Folha de S. Paulo - Em Cima da Hora

OVNIs e ETs

OVNIs e ETs
Site do Portal E5. Tudo sobre Ufologia

Arquivo do Rádio

Arquivo do Rádio
Viaje no tempo e relembre áudios registrados ao longo da história do Rádio no Brasil

Boletins na Rádio Terra AM

Boletins na Rádio DaCidade AM

Categorias