Como economizar no orçamento mensal com aproveitamento integral dos alimentos




Utilizar frutas, legumes e verduras em sua totalidade, além de alternativas com o congelamento e consumo de PANCs (Plantas Alimentícias Não Convencionais) evitam o desperdício e reduzem os gastos

Tendo em vista o aumento contínuo no preço dos alimentos desde o começo da pandemia da Covid-19, toda iniciativa que pode render alguma economia no orçamento mensal é válida. Segundo dados divulgados pelo IBGE, a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em 0,83% em maio deste ano, taxa superior ao 0,31% de abril e a maior para um mês de maio desde 1996 (1,22%).

Uma maneira de economizar, por exemplo, é na refeição diária e por meio do aproveitamento integral dos alimentos que, além de auxiliar na redução do orçamento mensal, evita o desperdício e contribui para uma alimentação saudável. Receitas preparadas a partir da utilização das sobras, talos, cascas, sementes, frutas e legumes amassados, considerados por muitas pessoas impróprios para o consumo por apresentarem uma aparência "feia", grãos, folhas, flores e até mesmo plantas alimentícias não convencionais são algumas das opções para diminuir os gastos financeiros com a alimentação.

Roseli Rodrigues Ferreira, docente da área de gastronomia e alimentação do Senac São Paulo, destaca que medidas simples como usar o alimento em sua totalidade pode contribuir para uma dieta mais nutritiva, além de reduzir os gastos do orçamento mensal. "Há algumas partes dos alimentos que podem ser aproveitadas e que costumamos descartá-las como as cascas, talos, sementes e folhas externas, que contém muitos benefícios nutricionais pelo valor aumentado de vitaminas, minerais e fibras, sendo uma ótima escolha no desenvolvimento de receitas para compor as refeições diárias. Essa prática também otimiza a redução de desperdício principalmente de frutas e vegetais, diminuição do lixo produzido e produção de gases poluentes, além de diminuir os gastos financeiros com a alimentação", afirma Roseli.

A profissional listou algumas dicas importantes para quem busca iniciar na prática do aproveitamento integral dos alimentos (AIA), além de alternativas que irão auxiliar na economia mensal:

Identifique se o alimento está adequado para consumo

Leve em consideração os aspectos de cada alimento. Frutas e legumes precisam apresentar aspecto, odor, cor e sabor característico, bem como as cascas devem estar íntegras e lisas. Se apresentarem manchas cinzas, brancas ou verdes, com mudanças em sua textura estando mais amolecidas, não estão próprios para o consumo.

Com as hortaliças folhosas é necessário prestar atenção nas características como cor viva, hidratação das folhas e ausência de folhas secas. Mas a alface, por exemplo, que apresentar pequenas bolinhas pretas pode ser consumida.

Já a cenoura, batata e pimentão que apresentarem fissuras ou buracos não são indicados para o consumo, pois essas alterações permitem a entrada de microrganismos, fungos e bactérias que podem contaminar todo o alimento.

Aproveite o alimento em sua totalidade

O alimento possui 6 partes: casca, entrecasca, folha, talo, sementes e polpa. Geralmente consumimos somente uma e descartamos cinco delas. Quanto utilizamos todo o alimento dessa forma estamos economizando. Portanto, faça uso do alimento em sua totalidade, aproveite os talos e cascas de verduras para o preparo de suflês, escondidinho, molhos, recheios, tortas e omeletes. Outras opções do que pode ser feito com as diferentes partes:

• Cascas das frutas: podem ser usadas na preparação de bolos, sucos, compotas, mousses, sorvetes, chás ou para serem consumidas na versão cristalizada;

• Folhas de verduras: podem substituir ervas, serem consumidas como saladas e ou utilizadas no preparo de sucos;

• Água de cocção: pode ser usada no preparo de purês, fundos cremes, cereais e sopas;

• Sementes: são ótimos como petiscos, preparação de biscoitos, paçocas e triturar para utilizar em receitas.

Congelamento como uma alternativa para evitar o desperdício

Além de facilitar na correria do dia a dia, a técnica de congelamento é uma grande aliada para evitar o desperdício de alimentos. Por meio dela é possível aumentar a vida útil de hortaliças sem reduções significativas no valor nutritivo e sabor.

No Brasil existem hortaliças frescas todo ano, considerando sempre os alimentos da época, mas nem todas podem ser congeladas como aquelas que são consumidas cruas como alface, rúcula e agrião. Já as folhas que são cozidas como espinafre, couve-de-bruxelas, por exemplo, podem ser congeladas.

Todas as frutas também podem passar por este processo, porém necessitam de alguns cuidados para manterem os nutrientes e aumentar a vida útil. Como elas perdem a textura com o congelamento, o ideal é utilizá-las em preparos de vitaminas, sucos, sorbet, smoothies e outras receitas.

Uma dica importante é fazer uma lista e checar a dispensa antes de ir as compras, isso evitará o gasto além do necessário e o desperdício.

Não esqueça de etiquetar os alimentos com a validade antes do congelamento, que pode variar de 2 a 12 meses.

Varie o cardápio com as Plantas Alimentícias Não Convencionais

Em 2017, após a publicação de Kinupp (2007), as PANCs - Plantas Alimentícias Não Convencionais - vêm ganhando grande conceito e por falta de conhecimento ainda são pouco consumidas. Porém são muito fáceis de serem encontradas em jardins, hortas, quintais e até mesmo em calçadas de rua. Elas podem ser nativas, exóticas e silvestres. Não são transgênicas e normalmente são orgânicas, elas crescem espontaneamente em qualquer ambiente. Para saber identificá-las é necessário a busca por informação de fontes seguras, pois existem plantas parecidas com as PANCs, porém são venenosas.

Algumas espécies que podem ser incluídas no cardápio:

Ora-pro-nóbis - Conhecida como "carne de pobre", contém alto teor de proteína, muito encontrada no Sudeste, entretanto está presente também em outras regiões. Suas folhas são sua parte comestível.

Bertalha - Trepadeira com folhas e caules verdes, suculentos e carnosos e é semelhante ao espinafre. Rica em vitamina A, além de fornecer vitamina C, cálcio e ferro. Devem ser consumidos frescos em substituição a couve e espinafre.

Taioba - Muito presente na culinária mineira, rica em vitamina A, B e C, e em minerais como cálcio e fósforo. Não deve ser consumida crua, possui alta concentração de cristais de oxalato de cálcio.

Existem outras variações tais como, capuchinha, chicória-do-campo, picão, vinagreira entre outras espécies que podem ser encontradas em diversos locais do Brasil.

Para quem tem interesse em aprender mais sobre o tema, o Senac São Paulo oferece diversos cursos na área de gastronomia e alimentação. Para mais informações acesse: https://www.sp.senac.br/cursos-livres-senac-online-ao-vivo/gastronomia-e-alimentacao.

Em um momento crítico como este de pandemia, em que a fome e o desemprego têm assolado os lares de muitos brasileiros, medidas simples como o aproveitamento integral dos alimentos podem fazer toda a diferença. Com a proposta de expandir a rede de solidariedade, o Senac São Paulo entra como parceiro na Ação Urgente Contra a Fome, campanha de arrecadação de alimento promovida pelo Sesc São Paulo. As duas instituições se unem para atender às necessidades básicas de pessoas em dificuldades e diminuir os impactos negativos agravados pela pandemia novo coronavírus.

Para detalhes sobre a ação, onde e como doar acesse https://www.sp.senac.br ou doemesabrasil.sescsp.org.br .

Fonte: https://www.ibge.gov.br/explica/inflacao.php

In Press Porter Novelli


 


Postar um comentário

0 Comentários

Web Rádio E5 24h

Web TV E5



Web Rádio Boa Demais

Boletins na Rádio DaCidade AM

Boletins na Rádio Terra AM

Notícias da Ufologia

Notícias da Ufologia
Site mais antigo do Portal E5, agora reformulado. Tudo sobre Ufologia.

Arquivo do Rádio

Câmeras CET - São Paulo-SP

Câmera São Paulo-SP